Resumão: a gente vai levando

Assim, de cara, eu diria que maio foi um mês fora da curva. (Inclusive este seria o título deste resumão.) Depois parei para pensar: o que seria um mês típico na minha vida? A resposta: não sei.

Não tenho muita rotina. Cada semestre tem suas particularidades. A grade horária da faculdade muda, trazendo professores e disciplinas com demandas diferentes e também consequências em todo o meu dia-a-dia, incluindo meus finais de semana. O mesmo acontece mês a mês. Os meses de férias são completamente diferentes dos meses de aula, bem como o começo de um período letivo é bastante distinto do final do mesmo. Minhas semanas também distinguem-se bastante entre si. É raro haver duas semanas consecutivas semelhantes, com as mesmas aulas nos mesmos horários. Professores cancelam e repõem aulas, acontecem visitas técnicas e aulas práticas, há feriados e recessos. Dentro de uma mesma semana, meus dias também variam muito. Não tenho aula todos os dias nos mesmos horários e isso acaba fazendo com que eu não consiga ter um horário fixo para nada, nem mesmo para acordar ou almoçar.

Portanto, maio não foi um mês atípico: foi apenas mais um mês caótico na minha vida caótica. Mas o caos, embora canse, não é necessariamente algo ruim.

Maio começa com feriado. Nesse caso, um feriado justo em um dia em que eu já não tenho aulas. Aproveitei para vir para São Joaquim (cidade-casa) mais cedo e tirar o dia de folga de verdade, sem trabalhar no TCC ou em qualquer outra coisa relacionada à faculdade. Foi um final de semana tranquilo, com exceção de um domingo cheio de contratempos para voltar para São Carlos (cidade-escola). Nesse final de semana, inclusive, resolvi uma pendência cinematográfica: assisti O Lado Bom da Vida.

Acordei bem humorada na segunda-feira seguinte e mal humorada na terça porque sou dessas. No final das contas, tive uma semana muito boa, apesar do estresse de sempre. Tive uma excelente notícia na faculdade na terça-feira. Na quarta-feira, fui ao shopping com o Lu, fizemos compras, fomos ao cinema assistir ao meu querido Homem Aranha e experimentamos o novo sabor do Subway, meu fast food favorito. Isso não está aqui no blog à toa: esses passeios são raros porque falta tempo, falta grana e, muitas vezes, falta energia.

Na semana seguinte, comecei a assistir – acreditem – Dragon Ball. Quando eu era criança, vi apenas pouquíssimos episódios aleatórios e, agora, diante de certa pressão do senhor Lucas (meu namorado) e do oferecimento dos episódios pelo senhor Michel (namorado da Lari), comecei a assistir ao desenho, finalmente. Confesso que fiquei um pouco em choque diante dos primeiros episódios, mas hoje estou me divertindo muito com os absurdos e até criando certa simpatia pelo Goku. Tenho feito mini-maratonas quando consigo porque quero muito terminar logo os mais de cem episódios e começar a assistir Dragon Ball Z.

O restante da semana foi ok, sem grandes emoções, sem grandes acontecimentos. O final de semana do dia das mães, porém, foi amor: encontrei minhas cupulindas e passei o domingão com minha mãe, é claro.

A semana seguinte começou com autoajuda bonitinha no Facebook para motivar. Rolou certo saudosismo na segunda-feira ao passar pelo prédio onde fiz minha matrícula há quatro anos. Aliás, maio foi um mês bem saudosista. O Castelo Rá-Tim-Bum completou 20 anos. Postei três fotinhas para o #ThrowbackThursdaymeu primeiro dia de aula da vidalendo revista e segurando um Togemon (porque certas coisas não mudam); e de porco rosa da Parmalat. Também assisti novamente a alguns dos filmes que amo assistir compulsivamente.

No dia 14, depois de um (drama queen mode on) longo e tenebroso hiatus (drama queen mode off), postei no blog minha listinha de coisas que todo mundo ama, mas eu odeio, blogagem coletiva de maio do Rotaroots. Nesse mesma semana, resolvi outras duas pendências cinematográficas, assistindo Capitão Phillips e Frankenweenie. Também reativei meu perfil no Listography (quem tiver, me deixa o link nos comentários!).

O final de semana seguinte foi realmente atípico. Tive algumas coisas para resolver em São Carlos na sexta-feira e acabei vindo para São Joaquim somente no sábado, tendo que faltar da minha aula de espanhol. Como não precisei voltar para São Carlos no domingo, pude almoçar com meus pais. Quando crescemos e a vida complica, passamos a valorizar o que antes achávamos banal, como poder almoçar com a família no domingo.

Na semana seguinte, não tive aulas e acabei aproveitando para descansar (mais do que deveria). Na terça, voltei a postar as mini-listinhas do meme das 52 semanas, com as minhas comidas favoritas. Nos outros dias, trabalhei um pouco nas coisas da faculdade e curti bastante meus pais e minha Íris. Aproveitei a semana livre para ir ao médico e fazer alguns exames. Fiz drama, mas ocorreu tudo muito bem. Também fiz duas compras amor nessa semana: um coturno lindo e um notebook que parecia feito para mim (e que, por enquanto, se provou isso mesmo). Por fim, inspirada pelo ORGBlog maravilhoso da Loma, atualizei a página sobre o blog e meu perfil.

No final do mês, aconteceram muitas coisas na USP. Creio que tenha saído bastante coisa na mídia a respeito. Em São Carlos, os funcionários entraram de greve na última terça-feira. Os últimos dias de aula foram bastante complicados devido à falta de ônibus e do bandejão, mas a gente vai levando. Não há previsão para o fim da greve, nem uma posição dos professores. Tudo o que podemos fazer é nos informar e nos mobilizar para ajudar-nos uns aos outros.

Essa última semana, embora tenha sido complicada por causa da greve, de uma prova que tive logo na segunda-feira e de mais exames médicos, foi bem bacana. Consegui lidar bem com os problemas que surgiram, fui ao shopping duas vezes, postei sobre o que tem que ter na minha geladeira, comemorei meu aniversário de namoro com o Lu, assisti Godzilla no cinema (cinema duas vezes em um mês: habemus um recorde) e ainda consegui comemorar o aniversário da minha terrinha querida com um tradicional calzone da Festa da Soja.

Não me senti culpada pela baixa produtividade desse mês como no mês passado. Apesar de ter tomado algumas decisões desacertadas e de ter pecado um pouco em termos de organização, foi mesmo bem complicado manter a produtividade constante esse mês, com tanto tempo fora de casa. O próximo mês também promete ser um pouco mais caótico do que o habitual, com os muitos feriados da Copa, a greve e o final de semestre. Mas, como canta Chico e Caetano e cantava Tom e Vinicius (afinal, de quem é essa música?), a gente vai levando.

Anúncios

Um comentário sobre “Resumão: a gente vai levando

  1. Oi Dani, quanto tempo!
    Eu nunca deixei de ler o seu bloguinho viu?? Eu pecava em não comentar porque tava afastada da blogosfera. Sei que isso não é motivo mas enfim, eu andava desmotivada com a vida devido alguns problemas que tive e não andava muito a fim de interagir… A fase ruim passou, graças a Deus, e eu tô de volta ao mundo dos blogs pessoais de raiz, e é por isso que eu não usei o plugin do Facebook: queria deixar pra você o meu novo endereço!

    Imagino que deva ser muito bacana esse lance de não se ter uma rotina definida na vida. Veja bem, hoje eu bati meu ponto às 07:15 e amanhã farei a mesma coisa! Vou almoçar de marmita lá no meu trabalho mesmo, e apesar de gostar e muito do meu emprego, é meio paia essa vida de assalariada!
    Quem sabe o blog não faça um enorme sucesso, eu me torne a It Girl dos Deficientes visuais e a MTV me contrate??? Enfim, sonhar não paga imposto! :D

    Beijão, é muito bom estar de volta! ;**

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s